domingo, julho 25, 2010

Radiações Cognitivas: A origem estrelar da mente humana

Desde a descoberta em 1920 que todos os tipos de radiação podem causar mutações genéticas, os cientistas se perguntam o papel que a alta energia dos raios cósmicos podem ter tido na evolução humana. No entanto, foi uma idéia destinada a nunca encontrr apoiadores entre os geneticistas, que poderia determinar qualquer evidência sólida de que o aumento do fluxo de fundo de raios cósmicos pode ter tido qualquer efeito visível sobre as células humanas.

Tudo isto está prestes a mudar, uma análise do gelo extraído da Antártida e Groenlândia fornece novas informações sobre o nível de raios cósmicos que atingem a Terra nos séculos passados. Quando os raios cósmicos primários atingem a atmosfera superior, geralmente quebram e produzem partículas secundárias que formam os isótopos, que caem na Terra e são preservados em camadas, ano após ano no gelo das regiões polares.

O isótopo Berílio 10, fornece evidências claras de que em três ocasiões (há 60.000, há 40.000 e a 17.000 anos atrás existiram períodos que duraram séculos (ou até mais de dois mil anos) com uma extremamente intensa atividade de raios cósmicos. Embora a natureza cíclica destes picos de atividade, talvez indique uma conexão com a longo prazo ciclos solares, outros fatores podem estar por trás do súbito aumento dos raios cósmicos durante o Paleolítico, quando nossos ancestrais mais antigos fizeram enormes saltos na evolução que levaram à origem da civilização.

Catastrofistas propõe que uma explosão de supernova próxima poderia ter enviado uma barragem de partículas cósmicas em nossa direção, a formação de nuvens aumentou drasticamente, evitando assim o sol na atmosfera e conduzindo rapidamente a uma idade do gelo e extinções em massa no chão. Assim, é possível que a supernova pode fechar por conta dos altos níveis de berílio encontrada nos núcleos de gelo.

Um cenário completamente diferente é que a verdadeira origem dos raios cósmicos que afetam a evolução da vida são os buracos negros ou estrelas de nêutrons, a primeira teoria proposta em 1973 pelo famoso astrônomo Carl Sagan. Curiosamente, na década de 1980 os físicos de partículas na Europa e nos E.U.A. inesperadamente detectaram a presença subterrânea de raios cósmicos que haviam penetrado na rocha sólida para grandes profundidades, sugerindo que eles tinham vindo de um acelerador de raios cósmicos extremamente poderosos em algum lugar no espaço profundo.

Estes raios cósmicos originais foram encontrados por terem sido produzidos por um sistema de estrelas binárias que continham ou um buraco negro ou um estrela de neutrons na constelação do norte de Cygnus, o cisne. As explosões registadas da radiação cósmica do espaço profundo, em pelo menos três vezes na história da humanidade poderia sugerir que Cygnus é a chave para resolver o mistério dos raios cósmicos.

Os artistas das cavernas do Paleolítico estariam conscientes que a origem de sua mentalidade, arte e civilização seriam as radiações de Cygnus? Cygnus é a mais antiga constelação representada na arte, aparecendo como um pássaro na famosa caverna de Lascaux, no sul da França, 17, 000 anos atrás. Além disso, em todo o mundo existem referências desta constelação, também conhecida como a Cruz do Norte.

Cygnus aparece representada na América do Norte nos centros olmecas do México, na cidade sagrada inca de Cuzco, nas pirâmides egípcias de Gizé, nos templos hindus da Índia, em Avebury, o maior círculo de pedra da Europa. Essa “origem celeste” está presente em todas as religiões humanas. Para saber mais visite http://www.andrewcollins.com.
ESTA INFORMAÇÃO FOI:

2 Comentários sobre esta postagem::

ZUMBIE DOLL disse...

Muito legal o artigo, se seguir a lógica proposta pelos cientistas tem uma grande probabilidade de ser verídico tal estudo

http://bonecozumbie.blogspot.com/

Anônimo disse...

talvez Cygnus seja o próprio Deus

Postar um comentário

Comentários inoportunos, idiotas ou ilegais não serão aceitos.