terça-feira, maio 25, 2010

A extinção dos grandes mamíferos pode ter mudado o clima das Américas

Mais de 13 mil anos atrás, milhões de grandes mamíferos, como mamutes, mastodontes, bisões, preguiças e camelos percorriam a América e podem ter tido influência profunda sobre o ambiente de acordo com um estudo intitulado "emissões de metano da megafauna extinta ", lançado na publicação Nature Geoscience de domingo.

A extinção dos grandes herbívoros, que também incluem cavalos, lhamas e alces, além do gigante mamute lanoso, provavelmente, levou a uma queda abrupta das emissões de metano e da concentração atmosférica do gás com implicações potenciais para a mudança climática, diz o Dr. Smith Felisa , Professor Associado de Biologia na Universidade do Novo México.

Cerca de 13.400 anos atrás, as Américas tinham uma fauna de mamíferos que era mais rica do que a África de hoje explicou Smith. "Cerca de 11.500 anos atrás, na chegada dos seres humanos do Novo Mundo, 80 por cento desses mamíferos de grande porte foram extintos", disse Smith no trabalho publicado.

"Esta é provavelmente a primeira influência detectável dos seres humanos sobre o ambiente que remonta 13.400 anos quando os primeiros seres humanos a chegaram ao continente", disse Smith. Herbívoros produzem metano como subproduto da fermentação microbiana, a maioria deste montante é lançado como arrotos. Estudos anteriores demonstraram que animais domésticos são um importante contribuinte para as concentrações de gases do efeito estufa e podem representar 20 por cento das emissões anuais. O estudo diz que essa influência pode ter sido maior na época do Pleistoceno, quando as concentrações de metano foram consideravelmente mais baixas.

Segundo a pesquisa, a extinção da megafauna coincide com uma queda abrupta na concentração de metano na atmosfera. "Se você olhar para os núcleos de gelo, que registram coisas como o metano, você vê essa queda enorme de metano que coincide perfeitamente com a chegada dos seres humanos", disse Smith. "Olhamos para todas as outras quedas de metano ao longo dos últimos milhões de anos e esta é completamente diferente. Ela acontece cerca de 20-40 vezes mais rapidamente do que os outros. "

Armados com essa informação, os investigadores decidiram então tentar determinar o quanto metano era produzido por estas espécies. Eles vieram com uma estimativa do número de animais e, em seguida, uma estimativa da quantidade de metano dos animais efetivamente produzidos. Outros animais, como elefantes, girafas e hipopótamos têm sido estudados, colocando um tipo de máscara de gás nos bichos para determinar a quantidade de metano que eles produzem em um dia.

ESTA INFORMAÇÃO FOI:

0 Comentários sobre esta postagem::

Postar um comentário

Comentários inoportunos, idiotas ou ilegais não serão aceitos.